1 de março de 2014

Quem disse que Carnaval é brasileiro?




O Carnaval, festa popular mais celebrada no Brasil, é um forte elemento da cultura nacional, no entanto, diferente do que muitos pensam, a famosa festa carnavalesca se originou na Grécia em meados de 600 a 520 a.C. O conceito de carnaval era bem diferente do que conhecemos hoje. Os gregos realizavam cultos, cheios de comida e bebida, para louvar aos deuses e comemorar colheitas e geralmente ocorriam entre novembro e dezembro.

Na Idade Média, o carnaval foi adotado pela Igreja Católica e regido pelo ano lunar no cristianismo. O período de festas era marcado por anteceder a Quaresma (40 dias sem carne até a Páscoa), e foi aí que surgiu o termo “Carnaval” – “adeus à carne” ou do latim “carne vale”.

As primeiras fantasias e bailes de máscaras surgiram no século XIII e era restrito à nobreza, mas com o passar do tempo os trajes se popularizaram e viraram tradição por toda a Europa.

No Brasil, o Carnaval teve início no período colonial e eram os escravos que animavam o entrudo, uma das primeiras manifestações carnavalescas. A partir daí, por influência européia, as classes mais ricas adotaram esse ritmo de festa dentro de salões. Curioso é que cantava-se de tudo, inclusive Ópera. Com o tempo foi surgindo o samba e as marchinhas, popularizados por compositores como Chiquinha Gonzaga, Braguinha, Haroldo Lobo e Lamartine Babo. Foi então que Getúlio Vargas consolidou o nosso querido samba e transformou o Carnaval em identidade nacional.
A pintura Cena de Carnaval, de Jean Batiste Debret, retrata como eram os entrudos no Brasil no século 17
A pintura Cena de Carnaval, de Jeans Batiste Debret, retrata como eram os estrudos no Brasil no século 17.
Hoje, o Carnaval leva multidões para as ruas, promove desfiles exuberantes, ostenta glamour e transmite felicidade, todavia, é também motivo de violência. A liberalidade sexual e suas consequências nele atrelado, desperta a necessidade de precaução. Por essa razão, destacamos hoje uma campanha publicitária pré-carnavalesca, desenvolvida pelo Ministério de Saúde, voltada para prevenção à AIDS através do uso da camisinha. O slogan da campanha, desenvolvida pela Propeg, é “SE TEM FESTA, FESTAÇO OU FESTINHA, TEM QUE TER CAMISINHA”. A campanha desse ano foi planejada para que pudesse ser utilizada não apenas no período do Carnaval, mas também em outros eventos ao longo do ano, inclusive na Copa do Mundo.

Cartaz da campanha do Ministério da Saúde pelo
sexo seguro no carnaval (Foto: Divulgação/
Ministério da Saúde)

Veja os vídeos da campanha:



video

















0 comentários:

Postar um comentário